• 23 de abril de 2019

100 mil venezuelanos pediram refúgio em 2017, segundo a ONU

População de refugiados vivem situação de vulnerabilidade, exploração, tráfico de pessoas e abusos sexuais

Já faz mais de cinco anos que Hugo Chávez morreu e a sua Venezuela não é mais a mesma de sua época. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) divulgou, nesta terça-feira (13), um levantamento dos venezuelanos que deram entrada com pedidos de refúgio nos mais diversos países.

Segundo a agência da ONU, desde 2014 foram registradas 145 mil solicitações de asilo de venezuelanos, um terço até 2016 e os outros dois terços no ano passado — deste total, 40 mil vivem em Boa Vista, no estado de Roraima. A população busca melhores condições de vida no exterior, fugindo da crise econômica que produz uma enorme inflação e a escassez de alimentos e remédios.

O Acnur também divulgou, nesta terça-feira, uma série de recomendações para ajudar os países da região a lidarem com a situação. Trata-se de um plano de resposta regional que inclui oito países, explicou a porta-voz da agência Aikatarina Kitidi em entrevista coletiva. O órgão pede que as nações vizinhas se mostrem solidárias com os venezuelanos.

Cada vez mais venezuelanos, particularmente aqueles que vivem no exterior sem proteção jurídica, são vulneráveis a violações de direitos, como a exploração, o tráfico de pessoas, a violência, os abusos sexuais, a discriminação e a xenofobia.

Segundo o serviço de migrações da Colômbia, cerca de 550 mil venezuelanos vivem em território colombiano legal ou ilegalmente. O número deverá chegar a um milhão no final deste semestre. Em fevereiro, o país anunciou novos controles migratórios e de segurança em sua fronteira com a Venezuela, com 2.120 agentes suplementares atuando na região.

O Brasil também reforçou sua presença militar na fronteira com a Venezuela e declarou estado de urgência social em Roraima para lidar com os 40 mil venezuelanos que chegaram à cidade de Boa Vista. Os imigrantes do país sul-americano já representam mais de 10% da população da cidade, que hoje é de 330 mil pessoas.

As autoridades brasileiras anunciaram, ainda, medidas de urgência para melhorar a proteção social, a saúde e a segurança nas localidades aonde chegaram os migrantes venezuelanos. A Polícia Federal calcula que cerca de 800 imigrantes cruzam diariamente a fronteira, entre o Brasil e a Venezuela, em busca de melhores condições de vida.

Da Redação com informações do site O Globo

Foto: Google Imagens

expressaobrasiliense

Read Previous

‘Estou pronto para ser preso’, diz Lula em entrevista para livro que será lançado na sexta

Read Next

Serviços de telefonia lideram ranking de reclamação no Consumidor.gov.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

gtag('js', new Date()); gtag('config', 'UA-136505599-1');