• 23 de julho de 2024

O FINO DA POLÍTICA | Manoelzinho do Táxi pode antecipar aposentadoria do TCDF e distritais já se movimentam de olho na vaga

Manoelzinho do Táxi pode antecipar aposentadoria do TCDF e distritais já se movimentam de olho na vaga

Foto: Divulgação/TCDF

Apesar de ainda não atingir a idade máxima para deixar o cargo, o conselheiro do Tribunal de Contas do DF, Manoel de Andrade, mais conhecido como Manoelzinho do Táxi, pode antecipar a sua aposentadoria do órgão de controle. Os rumores de sua saída estão circulando fortemente nos corredores da Câmara Legislativa do DF (CLDF). Manoelzinho completa 70 anos em setembro e pode ficar no TCDF até os 75 conforme estabelece a legislação. Porém, como já tem tempo de serviço, ele pode requerer a sua aposentadoria sem sofrer nenhuma perda.

Diante de tanta especulação, a coluna O Fino da Política apurou e confirmou com fontes do órgão auxiliar que o ex-distrital tem esse desejo de entregar a cadeira antes de atingir os 75 anos. Como a notícia vazou no meio político, a corrida para ficar com o cargo de Manoelzinho do Táxi já começou nos bastidores. Caso a antecipação da aposentadoria do conselheiro se concretize, a vaga, provavelmente, deverá ficar com um distrital. Manoelzinho chegou ao TCDF no ano 2000 por indicação do falecido ex-governador Joaquim Roriz, de quem foi secretário de Administração, depois de ser deputado distrital por dois mandatos, de 1991 a 1998.  

Mais dois conselheiros também já tem tempo de serviço

Foto: Divulgação/TCDF

Além de Manoelzinho do Táxi, outros dois conselheiros também atingiram o tempo de serviço necessário para requerer a aposentadoria: os ex-distritais Anilcéia Machado e Renato Rainha. No entanto, nenhum dos dois têm sinalizado que pretendem adotar o mesmo caminho que o colega de plenário. Num passado bem recente surgiram rumores de que Anilcéia queria deixar o TCDF, mas ela mandou avisar que vai ficar. Renato Rainha também já manifestou, até por meio da imprensa, que deve permanecer.   

De olho no GDF em 2026

Foto: Reprodução/Google Imagens

Em meio a tanta especulação e ti-ti-ti de bastidor, quem pode surpreender e sair até mesmo antes que se complete o ciclo de tempo de serviço é o ex-distrital e ex-federal, Paulo Tadeu. Ele está no TCDF por indicação do ex-governador Agnelo Queiroz, do PT. Nos bastidores comenta-se que o conselheiro vem sendo estimulado a voltar para a carreira política. Quando entrou para o órgão fiscalizador em 2012, Paulo Tadeu tinha uma boa projeção e força dentro de seu ex-partido, o PT. Dizem as más línguas que ele foi indicado para o cargo para não atrapalhar os planos de reeleição de Agnelo, que no fim das contas, não aconteceu. Como o PT brasiliense anda precisando de um novo líder e Paulo Tadeu ainda é citado nas rodas de conversa da militância como o candidato ideal, quem sabe ele atenda o chamado de seus ‘eternos companheiros’ e abra mão da integralidade das benesses que o cargo oferece. Até 2026, ainda falta muito chão e o conselheiro tem tempo para pensar. 

Mais uma indicação

Foto: Reprodução/Google Imagens

Caso uma dessas cadeiras do Tribunal de Contas do DF venha realmente a ficar desocupada, o governador do DF, Ibaneis Rocha, do MDB, terá a oportunidade de indicar mais um integrante para o órgão de controle. Em 2021, o então secretário de Economia, André Clemente, foi indicado para o TCDF. Clemente só veio a assumir o cargo em 2022 depois de um imbróglio jurídico que só foi resolvido pelo STJ. A sua indicação foi questionada judicialmente por ele não ser auditor de carreira do TCDF e sim do GDF. Ficou acordado que na próxima indicação, caso o quadro de auditores do TCDF tenha sido recomposto, o cargo deverá ser ocupado conforme o critério estabelecido pela legislação.  

Cadeira cobiçada

A cadeira de conselheiro do TCDF sempre foi muito cobiçada. Quem é indicado para o cargo tem entre as prerrogativas a função de fiscalizar as contas do GDF como um todo e do Legislativo. No meio político, o cargo é bem disputado. De acordo com a norma, dos sete conselheiros, três são indicados pelo governador e quatro pela Câmara Legislativa do DF. Além de deter o poder de fiscalizar as contas do Executivo e do Legislativo, quem senta na cadeira recebe mais de R$ 35 mil de salário e pode receber outros benefícios inerentes ao cargo. 

Antes a indicação passava pelo Senado

Até o Distrito Federal conquistar a sua autonomia político-administrativa, que só ocorreu após o fim da ditadura militar (1964-1985), os conselheiros que compunham o TCDF, desde a sua criação em 1960, eram indicados pelo Senado Federal. Até 1985, o plenário da Corte de Contas era composto por cinco conselheiros. O TCDF era um órgão auxiliar do Senado que atuava na fiscalização orçamentária e financeira da cidade.

Ninguém sabe onde está o gabinete da senadora Leila do Vôlei

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Na semana que passou estivemos acompanhando os trabalhos do Senado e nos deparamos com cidadãos do DF que estavam à procura de onde ficava o gabinete da senadora Leila do Vôlei, do PDT-DF. Eles queriam entregar um abaixo-assinado para a parlamentar com reivindicações de pautas para o DF. O grupo lamentou que ninguém sabia onde estavam os funcionários da senadora, pois o seu gabinete estava vazio. Segundo a direção do Senado, o gabinete da parlamentar encontra-se em reforma. Porém, na porta do local não consta nenhuma informação que pudesse ajudar quem se dirigisse até lá em busca de atendimento. Ou seja, quem tiver alguma demanda com a senadora por esses dias precisa primeiro achá-la para depois saber se pode ser atendido.

63 anos de uma cidade que alimenta a esperança de seu povo

Foto: Divulgação/Ag. Brasília

No próximo dia 21 de abril, Brasília chega aos 63 anos de sua fundação. Idealizada por Juscelino Kubitschek, a nova capital da República trouxe consigo a esperança de que o País naquela época caminhava para se tornar uma nação proeminente diante do feito dos pioneiros que aqui chegaram e ergueram uma nova cidade no Planalto Central em tempo recorde. No entanto, veio a ditadura militar quatro anos após sua inauguração e freou os planos de desenvolvimento e crescimento que estavam traçados. Brasília resistiu aos anos de chumbo, sua população se manteve firme e graças ao desempenho de políticos que tinham compromisso com o povo, pode se desenvolver. 

Ao longo dessas seis décadas de existência, a jovem Brasília vivenciou de tudo um pouco. No campo político, a capital federal já foi do céu ao inferno. Entretanto, se tem uma coisa que Brasília nunca deixou de ser é que ela se tornou símbolo de esperança para todos os brasileiros e para os que aqui chegam. A boa impressão que a cidade causou em João do Santo Cristo, personagem da música Faroeste Caboclo, da Legião Urbana, é a mesma que tanto nos orgulha até hoje: Meu Deus, mas que cidade linda. Parabéns, Brasília!

Geração candanga já é maioria

Um fato muito interessante em relação ao Distrito Federal é que desde 2021, de acordo com a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD), realizada pelo Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF), a quantidade de moradores daqui que nasceram na capital federal ultrapassa os 55%. Em síntese, mais da metade da população já é composta por brasilienses natos. A geração candanga aos poucos está ocupando o seu habitat. Em pouco tempo teremos uma boa quantidade de brasilienses que são filhos de pais brasilienses, que são netos de avôs brasilienses. 

* José Fernando Vilela é jornalista com especialização em marketing político e eleitoral e trabalhou em diversos órgãos públicos (GDF/CLDF/Câmara/Senado) e iniciativa privada. É editor-chefe, analista político e colunista do portal Expressão Brasiliense. É presidente da ABBP – Associação Brasileira de Portais de Notícias – desde 2021.

OBS: O conteúdo da coluna O Fino da Política é de uso exclusivo deste portal. É proibida a sua reprodução total ou parcial para fins jornalísticos, publicitários e quaisquer outras sem a devida autorização.

Acompanhe o Expressão Brasiliense pelas redes sociais.

Dá um like para o #expressaobrasiliense na fanpage do Facebook. 

Siga o #expressaobrasiliense no Instagram

Inscreva-se na TV Expressão, o nosso canal do YouTube.

Receba as notícias do Expressão Brasiliense pelo Whatsapp.

José Fernando Vilela

José Fernando Vilela é jornalista com especialização em marketing político e eleitoral e trabalhou em diversos órgãos públicos (GDF/CLDF/Câmara/Senado), partidos políticos, parlamentares e iniciativa privada. É editor-chefe, analista político e colunista do portal Expressão Brasiliense. É presidente da ABBP - Associação Brasileira de Portais de Notícias - desde 2021.

Read Previous

BRASILEIRÃO 2023 | Competição começa neste sábado (14) com equilíbrio e expectativa de estádios cheios

Read Next

CANDANGÃO 2023 | Real Brasília faz história e se torna campeão pela primeira vez da competição vencendo o Brasiliense