• 23 de julho de 2024

TOTALMENTE SEM NOÇÃO | Kim Kataguiri chama Brasília de ‘Ilha da Fantasia’ e toma pito de Gilvan Máximo no plenário

Não é de hoje que políticos de outros estados se dirigem de forma desrespeitosa e têm uma visão deturpada de Brasília. Na tarde de terça (9), durante a sessão da Câmara Federal, o deputado Kim Kataguiri, do União-SP, teve o atrevimento de chamar a capital da República de “Ilha da Fantasia”. A declaração do paulista constrangeu seus colegas de parlamento.

A fala de Kim Kataguiri ocorreu durante a votação do requerimento de urgência apresentado pelo deputado Rafael Prudente, do MDB-DF, para apreciação de um projeto de lei que cria 484 funções comissionadas no Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT). 

Ao ser convocado para encaminhar o voto do bloco do União Brasil – PP – PSDB – Cidadania, o deputado paulista informou que a bancada estava liberada e que ele não concordava com a criação dos cargos solicitados pelo Judiciário.

“Isso é mais uma justificativa para sugar dinheiro dos outros estados e trazer para essa ‘ilha da fantasia’ que é o Distrito Federal, que consegue ter a maior renda per capita do País. Não porque produz, mas sim porque suga de outros estados”, disse Kim Kataguiri.

Ele ainda recebeu apoio da deputada do Novo, Adriana Ventura, que também é representante do estado de São Paulo e, assim como Kim Kataguiri, só deve ficar em Brasília de terça a quinta, como a maioria dos parlamentares que são de outras unidades da federação. Adriana disse que os servidores do TJDFT pertencem “à elite do funcionalismo público”. 

Pito de Gilvan

O republicano Gilvan Máximo, que é parlamentar pelo DF, reagiu às declarações dadas pelo representante de São Paulo e passou um pito em Kim Kataguiri no plenário, que estava próximo ao parlamentar no momento de sua fala. 

Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

“O deputado Kim foi infeliz em falar que Brasília é uma ‘ilha da fantasia’. Nós temos empresários, pessoas honradas, que vieram para cá e construíram uma história. Esses funcionários públicos que tocam Brasília são pessoas que estudaram e que trabalham duro. Estudaram muito, prestaram concurso e o senhor está sendo infeliz quando diz que Brasília é essa ‘ilha da fantasia’”, criticou Gilvan. 

O federal afirmou para o colega que “esse funcionalismo público é que toca essa máquina que faz com que a capital da República possa recebê-los. Aqui nós temos 180 embaixadas e aqui nós recebemos o senhor muito bem. Brasília é uma cidade de homens e mulheres honradas e o funcionalismo público daqui é exemplo para todo o país”.

Apoio de outros deputados

Além de Gilvan, o deputado Chico Alencar, do PSol-RJ, líder da bancada do PSol-Rede, também criticou a declaração de Kim Kataguiri e explicou que a criação das novas funções não gera novas despesas para o erário. 

“O PSol e a Rede não consideram Brasília uma ‘ilha da fantasia’. Isso é até um desrespeito com quem vive, trabalha, elabora e ergueu essa capital da República. Essa é uma iniciativa que não aumenta a dotação orçamentária”, afirmou o parlamentar. 

Antes da manifestação de Kataguiri, o deputado Bacelar, do PV-BA, defendeu o projeto de lei de iniciativa do TJDFT e destacou que o órgão presta um serviço de excelência.

Apesar das declarações sem noção de Kim Kataguiri e também da deputada Adriana Ventura, os parlamentares aprovaram o requerimento de urgência por 346 votos favoráveis, 53 contrários e três abstenções. Com isso, a proposta passa a figurar entre as prioridades da pauta de votação. 

Acompanhe o Expressão Brasiliense pelas redes sociais.

Dá um like para o #expressaobrasiliense na fanpage do Facebook. 

Siga o #expressaobrasiliense no Instagram

Inscreva-se na TV Expressão, o nosso canal do YouTube.

Receba as notícias do Expressão Brasiliense pelo Whatsapp.

Expressão Brasiliense

Read Previous

APOSTAS ESPORTIVAS | Justiça acata novas denúncias de manipulação de resultados em jogos das séries A e B e em estaduais

Read Next

CARNAVAL DO DF | Após contestação de edital, TCDF não encontra irregularidades e autoriza desfile das escolas de samba