• 19 de abril de 2021

JOGO POLÍTICO E DE INTERESSES | Senadores voltam a pedir a demissão de Ernesto Araújo

Após o chefe do Ministério das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, acusar a senadora Kátia Abreu (PP-TO) de atuar em favor de interesses da China, especificamente na questão do mercado de 5G, senadores fizeram novas críticas ao chanceler e voltaram a pedir sua demissão.

Veja também

BOLSONARO PRESSIONADO | Centrão e cúpula do Congresso se aliam ao mercado pedindo intervenções nos rumos do governo

O presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), lamentou a criação da celeuma. “No momento em que há um grande esforço para a pacificação e o entendimento, lamento muito que justamente o responsável por nossa diplomacia venha a criar mais um contencioso político para as instituições. O Brasil e o povo brasileiro não merecem isso”, escreveu Nogueira no Twitter.

O senador Weverton (PDT-MA) disse que “já passou da hora de Ernesto Araujo ser demitido do Itamaraty” e que ele, para se manter no cargo, abre uma guerra de fake news contra senadores.

Leia também  ADEUS, LOURO JOSÉ | Intérprete de personagem da Ana Maria Braga morre aos 47 anos

“Encurralado pela péssima gestão à frente da política externa brasileira, principalmente na compra de vacinas, Ernesto Araujo tenta se manter no cargo abrindo uma guerra de fake news contra senadores sérios como @KatiaAbreu”, escreveu Weverton na mesma rede social. “Não vamos aceitar mais esse desrespeito contra o Senado Federal e o Congresso Nacional. Táticas de mobilização, com cortinas de fumaça, não funcionarão. Já passou da hora de Ernesto Araujo ser demitido do Itamaraty”, completou.

Mais cedo neste domingo, 28, o chanceler divulgou nas redes sociais o conteúdo de uma conversa reservada com a senadora Kátia Abreu durante um almoço no Itamaraty, insinuando que ela teria feito lobby em favor do 5G da China.

Leia também  Ibaneis troca chefe da Administração Regional do Park Way, o último do governo Rollemberg a cair

“Em 4/3 recebi a senadora Kátia Abreu para almoçar no MRE. Conversa cortês. Pouco ou nada falou de vacinas. No final, à mesa, disse: “Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado.” Não fiz gesto algum”, escreveu Ernesto em sua conta no Twitter neste domingo. “Desconsiderei a sugestão inclusive porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio Presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria”.

A publicação de hoje é um contra-ataque do ministro ao Senado, após parlamentares da Casa cobrarem publicamente sua demissão, e uma tentativa de endossar a narrativa sustentada nos bastidores por aliados do chanceler sobre qual seria o motivo de sua “fritura”, a de que, sem ele no governo, o caminho estaria livre para os asiáticos entrarem no mercado brasileiro do 5G. Parte da equipe de Ernesto entende que o ministro virou um para-raio e sofre lobby contrário de chineses, que intensificaram o diálogo direto com o Congresso e reclamaram dele para o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).

Leia também  NA RAÇA | Brasil reage com três gols no segundo tempo, vence a França e vai à final do Mundial Sub-17

Há, no entanto, uma avaliação generalizada e vocalizada de que Ernesto é responsável pelo fracasso das negociações internacionais para a compra de vacinas contra a covid-19 e isso é o que tem motivado a pressão recente pela sua saída do cargo. A gestão dele à frente da política externa brasileira está sendo contestada e reprovada não só pela cúpula do Congresso, mas também por economistas, empresários, militares, governadores, prefeitos e até por diplomatas.

(Agência Estadão Conteúdo)

Foto: Divulgação/Agência Senado

Avatar

expressaobrasiliense

Read Previous

REABERTURA DO COMÉRCIO | Confira aqui os horários e regras para cada setor

Read Next

PRATA DA CASA | Pesquisadores da UnB testam eficiência de máscara contra a Covid