• 21 de abril de 2019

Bolsonaro fará a análise do texto-base da Reforma da Previdência antes de enviar para a Câmara

A equipe responsável por elaborar o texto-base da Reforma da Previdência já concluiu o trabalho. Resta agora a avaliação e análise do presidente Jair Bolsonaro (PSL), ainda internado no Albert Einstein, para debater junto aos técnicos do governo e, em seguida, enviar o projeto de lei para a Câmara dos Deputados.

O tema é polêmico, porém o novo governo quer dar uma solução definitiva para o problema.

“Evidente que existem pontos que serão levados à presença do presidente para que ele possa tomar sua posição, possa definir de que forma isso possa chegar à Câmara Federal”, disse Marinho.

O secretário informou que o texto foi construído por diversas áreas do governo, além da contribuição de economistas e avaliação do projeto enviado pelo ex-presidente Michel Temer ao Congresso. Ele não antecipou nenhuma regra.

Marinho disse que o texto final é “bem diferente” da minuta do projeto que vazou para a imprensa na semana passada. Nessa minuta, o governo proporia idade mínima única de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem no Brasil. Além disso, a minuta de projeto ainda previa um mínimo de 20 anos de contribuição para o trabalhador receber 60% da aposentadoria chegando, de forma escalonada, até o limite de 40 anos, para o recebimento de 100%.

Perguntado sobre quando o projeto será apresentado à sociedade, Marinho respondeu que isso vai ocorrer o mais rapidamente possível. “Vamos aguardar que o presidente convalesça, que ele esteja em plena condição de exercício do seu mandato, que eu espero que seja amanhã ou quinta-feira, e, apresentado [o texto] ao presidente, ele vai definir o prazo”, disse o secretário.

Militares

Sobre a inclusão de militares na reforma, mais cedo o senador Major Olímpio, líder do PSL, disse, ao deixar o Ministério da Economia, que os próprios militares apresentaram uma proposta para a Previdência.

Da Redação com informações da Agência Brasil.

Foto: Google Imagens

expressaobrasiliense

Read Previous

GDF quer avançar nas negociações com professores da rede pública

Read Next

Pesquisa aponta que 85% da população concorda com escolas cívico-militares na rede pública

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

gtag('js', new Date()); gtag('config', 'UA-136505599-1');