• 6 de dezembro de 2021

CRIME NO RIO MADEIRA | MPF pede a saída imediata de garimpeiros que estão extraindo ouro do rio e seus afluentes

O Ministério Público Federal (MPF) fez uma recomendação pedindo a adoção emergencial de ação coordenada de repressão e desarticulação ao garimpo ilegal de ouro na calha do rio Madeira e afluentes, no município de Autazes, distante 113 quilômetros de Manaus, em atuação integrada de órgãos e autarquias federais e estaduais competentes, no prazo de 30 dias.

No documento, são cobrados a tomar providências na recomendação o Exército Brasileiro, por meio do Comando Militar da Amazônia (CMA); a Superintendência da Polícia Federal no Amazonas; a Agência Fluvial de Itacoatiara, unidade da Marinha encarregada do rio Madeira, subordinada à Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC); o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), à Presidência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e à Superintendência da Agência Nacional da Mineração (ANM) no Amazonas.

Leia também  PLANO DE RECUPERAÇÃO | Arniqueira na luta contra a degradação ambiental

A Polícia Federal articula ações para conter o avanço de centenas de balsas de garimpo ilegal que seguem enfileiradas pelo Rio Madeira. Outros órgãos federais devem participar da operação, como o Ibama e o Ministério da Defesa.

Questionada, a superintendência da PF no Amazonas confirmou que está ciente do fato e que já está tomando medidas a respeito do assunto.

De acordo com o MPF, os órgãos devem, cada um dentro de sua esfera de atribuições, realizar a identificação e autuação administrativa de todos os empreendimentos irregulares em operação ou com sinais de operação em passado recente na calha do rio Madeira ou afluentes, além de adotar medidas para a imediata interrupção das atividades ilícitas, inclusive mediante destruição dos instrumentos do crime, caso necessário.

“O MPF acompanha a situação por meio de procedimento extrajudicial, instaurado para apurar a ocorrência de suposta invasão em massa de garimpeiros na região, ocorrida no dia 22 de novembro de 2021, após notícias repercutidas na imprensa regional e nacional, que registrou a chegada de várias dragas e balsas pelo rio Madeira, na região de Autazes, por meio de imagens e vídeos amplamente divulgados”, declarou o MPF.

Leia também  EM COMEMORAÇÃO AO OITAVO TÍTULO | Nação BRB Fla lança cartão pré-pago especial

O documento do MPF destaca ainda que cabe a uma série de órgãos prestar apoio logístico e operacional aos órgãos ambientais, a fim de viabilizar a eficiente repressão aos ilícitos, dentre os quais a Polícia Federal, o Comando Militar da Amazônia, a Agência Nacional de Mineração e a Marinha.

“A atuação coordenada entre todos esses atores propiciaria uma resposta rápida e eficiente à atividade ilegal em curso no Município de Autazes/AM, com papel de destaque e de coordenação a ser exercido pelos órgãos ambientais, detentores de especial expertise no enfrentamento a ilícitos ambientais na Amazônia”, afirma o MPF na recomendação.

Leia também  AGÊNCIAS DO TRABALHADOR | 407 vagas são oferecidas nesta segunda (15)

Em agosto deste ano, a Justiça Federal condenou o Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas (Ipaam) a anular as licenças concedidas irregularmente para as atividades de extração de ouro no leito do rio Madeira, em área de mais de 37 mil hectares, na região sul do Amazonas.

A sentença, que permanece válida, reafirmou uma decisão liminar de dezembro de 2017 nesse mesmo sentido. Com isso, toda a atividade garimpeira antes amparada por essas licenças irregulares deve seguir paralisada. A ação que originou a sentença é do Ministério Público Federal (MPF) em ação civil pública. Atualmente, o processo está em fase de recurso.

(Agência Estadão Conteúdo)

Foto: Reprodução/Google Imagens

Expressão Brasiliense

Read Previous

AGORA VAI! | PL anuncia filiação de Bolsonaro para o dia 30 de novembro

Read Next

DENÚNCIA ACEITA | Ricardo Barros (PP-PR) e outras quatro pessoas se tornam réus por suposto esquema de recebimento de propina e lavagem de dinheiro na Copel