• 17 de janeiro de 2021

SEM ACOMPANHAR A INFLAÇÃO | Reajuste no salário mínimo reduz o poder de compra do brasileiro

O salário mínimo de R$ 1.100 em 2021 não repõe a inflação do ano passado. O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), indicador que corrige o salário mínimo, registrou alta de 5,45% em 2020, segundo dados divulgados nesta terça-feira, 12, acima do reajuste de 5,26% dado no salário mínimo.

Veja também

DEPOIS DE 100 ANOS NO BRASIL | Ford fecha três fábricas de uma vez encerrando operação da montadora no país

Isso significa que a alta no piso não repõe o poder de compra, como assegurado pela Constituição. Para isso, o piso deveria subir para R$ 1.101,95 ou R$ 1.102, após arredondamento.

Procurado, o Ministério da Economia ainda não se posicionou se poderá alguma alteração no valor.

Leia também  PREPARE O BOLSO | Gasolina sobe 4% nas refinarias anuncia Petrobras

No ano passado, o governo anunciou que aumentaria o salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.039, mas depois da divulgação do INPC, o valor foi reajustado para R$ 1.045 a partir de fevereiro.

Em 30 de dezembro, o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse em coletiva de imprensa, que o governo poderia reavaliar a situação e talvez até incorporar a diferença de forma imediata.

“Nosso compromisso é atender ao mandamento constitucional de manutenção do poder aquisitivo do salário mínimo, e assim será feito”, disse Waldery. “Após a divulgação do INPC, será reavaliado se o valor de R$ 1.100 corresponde ou não. A previsão é 5,22%. O valor (do mínimo) pode ser alterado? Sem dúvida, pode ser alterado, depende do dado realizado, e não do previsto, para o INPC em dezembro”, afirmou.

">
Leia também  CRESCIMENTO | Junta Comercial do DF registra maior abertura de empresas em janeiro dos últimos anos

A política de valorização do salário mínimo, com reajustes pelo índice de preços e pela variação do PIB, vigorou entre 2011 e 2019, mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação. Em 2017 e 2018, por exemplo, foi concedido o reajuste somente com base na inflação porque o PIB dos anos anteriores (2015 e 2016) encolheu.

Por isso, para cumprir a fórmula proposta, somente a inflação serviu de base para o aumento. Em 2019, houve um aumento real de 1%, refletindo o crescimento de dois anos antes e marcando o fim da política.

Matéria com informações adaptadas da Agência Estadão Conteúdo

Foto: Divulgação/Ag. Brasil

 

Avatar

expressaobrasiliense

Read Previous

RIACHO II SEM ÁGUA | Caesb fará melhorias na quinta (14), das 8h às 18h, na rede de abastecimento da região

Read Next

INOVAÇÃO E AGILIDADE | Clientes do BRB poderão ter acessos a serviços públicos federais pelas plataformas .gov.br