• 14 de junho de 2024

COM MP DO PIS/COFINS | Combustível, remédio e alimentos podem ficar mais caros

Os preços dos combustíveis, remédios e alimentos devem ficar mais caros depois da implementação da Medida Provisória (MP) 1227/24, que limita a compensação de créditos de Pis/Cofins. Isso, pelo menos, é o que argumentam entidades do mercado que reagiram à proposta do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A medida do governo restringe o uso de créditos de PIS/Cofins pelas empresas de diversos setores. A mudança começou a valer na última semana e foi anunciada pelo Ministério da Fazenda para aumentar a arrecadação da União como compensação à desoneração da folha salarial dos 17 setores que mais empregam e dos municípios.

O efeito da MP deve começar pelos combustíveis. Segundo estimam três das maiores distribuidoras do Brasil, a gasolina deve aumentar de 20 a 46 centavos – uma variação de 4% a 7%. Já o diesel deve aumentar de 10 a 23 centavos – variação de 1% a 4%. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBS).

Nas farmácias, os medicamentos também devem subir. De acordo com Sindusfarma, sindicato que representa as indústrias farmacêuticas, os créditos presumidos de PIS e Cofins apropriados sobre as vendas de produtos são integralmente repassados aos preços, o que trará impactos negativos para a população.

“A indústria da saúde incorre em custos na compra de insumos que são adquiridos com o ônus do PIS e da COFINS. Ao revogar abruptamente este direito, o Governo aumenta o custo de produção, aumentando preços de bens essenciais à vida. Em outras palavras: quem paga esta conta é o cidadão brasileiro”.

Com a MP, os alimentos também devem ficar mais caros. Carne bovina, carne suína e de aves, miúdos animais e linguiças, gorduras (animal e vegetal), leite, insumos agropecuários, produtos hortícolas (batata, tomate, feijões, cebola, mandioca, etc), frutas, café, laranja, derivados de soja, cana-de-açúcar, entre outros sofrerão com o fim de ressarcimentos dos créditos presumidos, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) diz que a MP onera ainda mais a já sobretaxada indústria brasileira. A entidade estima que seu impacto negativo na indústria seja de R$ 29,2 bilhões em 2024. Em 2025, o impacto negativo da MP deve chegar a R$ 60,8 bilhões.

Na mesma linha, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) manifestou preocupação com a MP. Em comunicado, a entidade diz que a “alteração arbitrária das regras do jogo pelo Governo penaliza as empresas no cumprimento de suas obrigações tributárias e previdenciárias, além de aumentar as despesas financeiras”.

(Terra)

Foto: Reprodução/Google Imagens

Acompanhe o Expressão Brasiliense pelas redes sociais.

Dá um like para o #expressaobrasiliense na fanpage do Facebook.

Siga o #expressaobrasiliense no Instagram.

Inscreva-se na TV Expressão, o nosso canal do YouTube.

Receba as notícias do Expressão Brasiliense pelo Whatsapp.

 

Expressão Brasiliense

Read Previous

EM VISITA DE FISCALIZAÇÃO | Deputado Pastor Daniel de Castro elogia atendimento a população no Hospital Regional de Santa Maria

Read Next

DIA DOS NAMORADOS | Nativas Grill do SIA prepara jantar especial com sorteio de prêmios para celebrar a data