Secretaria de Saúde informa que HRT está funcionando

Servidores e pacientes do Hospital Regional de Taguatinga passaram por um susto na manhã desta quinta-feira (24). A unidade hospitalar que não passa por manutenção a cerca de 30 anos teve um princípio de incêndio devido aos desgastes de suas instalações elétricas. A Superintendência da Região de Saúde Sudoeste informou que acionou o protocolo do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) denominado Plano de Catástrofe por causa de um curto circuito nas dependências do HRT.

Com essa medida, os pacientes que estavam internados no pronto-socorro da unidade serão direcionados, ao longo do dia, a outras unidades da rede para a continuidade do tratamento. A direção do HRT esclarece ainda, que não houve chamas na emergência da unidade.

Segundo a direção do hospital, o curto circuito ocorreu em um duto da seção de manutenção e transporte e a fumaça chegou até o pronto-socorro, conforme constatou a vistoria da Defesa Civil. Por causa do incidente, alguns canos hidráulicos também se romperam, causando vazamentos pontuais.

A direção do HRT ainda informa que o pronto-socorro e a galeria estão interditados até que a Polícia Civil termine a perícia. Assim que o procedimento for finalizado, a equipe de manutenção da unidade iniciará, ainda hoje, o reparo das redes elétrica e hidráulica.

HRT continua funcionando

Enquanto isso, as áreas essenciais do HRT estão funcionando com energia fornecida pelo gerador da unidade, que está abastecido e tem autonomia para garantir o funcionamento do hospital, se necessário, pelas próximas 48 horas.

Devido a adoção do plano de contingência em curso na unidade, a visita aos pacientes internados nas enfermarias está mantida. Já as visitas aos pacientes da área evacuada serão redirecionadas.

Novo modelo de gestão é a solução

O acontecimento desta manhã só reforça a necessidade de uma intervenção imediata no HRT. A secretaria destaca que o decreto de emergência na saúde possibilita a resolução de problemas como este mais rapidamente através de contratações emergenciais. Porém, sua curta validade (180 dias) evidencia, mais uma vez, a necessidade de ampliação do modelo de gestão do Instituto Hospital de Base para outras unidades de saúde e assim garantir melhores condições de trabalho aos profissionais da saúde e mais qualidade ao atendimento aos usuários da saúde pública no DF.

Da Redação com informações da SES/DF

Foto: Google Imagens

expressaobrasiliense

Read Previous

Saúde do DF precisa ser exemplo

Read Next

Distritais aprovam projetos de leis da saúde e segurança em dois turnos

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.