Os bastidores da política em Brasília

Frota chegando e Aécio de saída no PSDB de Dória

A chegada do deputado Alexandre Frota (SP), expulso do PSL, ao ninho tucano fez ressurgir as especulações sobre a possível expulsão do seu colega de parlamento, Aécio Neves (MG). O atual grupo que está no comando do Tucanato, sob o comando do Bruno Araújo, apadrinhado por João Dória, governador de São Paulo, quer dar uma nova cara ao partido. Taí o porquê da chegada do deputado pitboy pornô e a justificativa para expulsar o deputado boêmio fanfarrão de Minas.

Frota veio de um processo polêmico em meio a base governista e já chegou fazendo barulho dizendo que o presidente Jair Bolsonaro tem medo de que petistas e sem-terras possam atentar contra sua vida e que por isso ele tem a proteção de milícias do Rio. Já Aécio, que estava se articulando silenciosamente para se manter no ninho, terá que alçar voo em busca de um novo partido.

Ibaneis na bronca com TCU

Na quinta-feira (15), o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), durante a solenidade de lançamento de um portal que trata da regularização fundiária da capital federal, externou sua indignação contra a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) em processo de prestação de contas do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF). Ibaneis disse que o TCU não serve para nada e que mais atrapalhava a população do DF do que contribuía. O chefe do Buriti vai recorrer da decisão que suspendeu a inclusão de novos benefícios de aposentados e pensionistas da Saúde e da Educação na folha de pagamento com recursos do Fundo.

Com fama de ser um advogado com bom trâmite em tribunais e um vencedor de causas, Ibaneis revelou que vai tratar do caso pessoalmente. Ele deverá mostrar porque é respeitado no meio jurídico. Oxalá que dê tudo certo.

Senado às vésperas de aprovar ou rejeitar o nome de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil nos EUA

O governo do presidente Jair Bolsonaro deve confirmar a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), o “03”, para a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Entretanto, o assunto vem sendo tratado com cautela pela cúpula do governo. Eduardo já ganhou o sinal verde de Donald Trump, resta apenas passar pelo crivo do Senado Federal que é a parte mais difícil da trajetória até os EUA. No Senado, parlamentares estão divididos. Muitos estão optando em não se manifestar, pois o trâmite do “03” começa pela comissão de Relações Exteriores e tem que passar pelo plenário. E é no plenário que mora o perigo. A votação deve ser secreta e o presidente-capitão não deve querer perder e nem manchar a imagem de sua cria. Acontece que o jogo no Senado é mais duro. Não vai ser uma tarefa fácil e já tem senador com parecer de consultores da casa argumentando que a indicação do filho do presidente seria nepotismo. Ainda teremos muitos capítulos, mas tudo se encaminha para que os Bolsonaros saíam vitoriosos.

Vem aí a Reforma Tributária na Câmara dos Deputados

Agora que a reforma da Previdência está no Senado Federal, os deputados federais começaram a debater a reforma tributária. A primeira reunião da comissão especial da Câmara já realizou a sua primeira reunião no último dia 13. O relator da proposta de emenda à Constituição (PEC), deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) prevê que o relatório deverá ser votado até o dia 08 de outubro. Ribeiro ficará responsável por ditar os rumos da reforma, pois terá que escolher entre a proposta do deputado Baleia Rossi (MDB/SP) que tem como base um projeto do economista Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e que prevê que cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) sejam substituídos por um único, intitulado Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). Ou aguardar a proposta da equipe econômica do governo Bolsonaro. Mais uma vez o governo irá ter que negociar com o famoso Centrão, que inclusive tem Aguinaldo Ribeiro como um dos cabeças.

Líderes partidários iniciam movimentações pré-eleições municipais

O Congresso Nacional já está convivendo com as movimentações pré-eleições municipais que ocorrerão em 2020. Já tem gente querendo o seu quinhão ou valorizar seu capital político. Muitos líderes partidários estão se mexendo, mas com muito cuidado. As eleições de 2020 serão as primeiras já sem as famosas coligações que, dependendo da aliança, garantia o espaço de muita raposa velha. Ou seja, o medo de ser abatido nas municipais vem preocupando muita gente experiente que vê nas municipais a chance de retornar ao poder e sentar-se à mesa do jogo novamente.

Imprensa marrom chantageia governo Bolsonaro por meio da 1ª dama

Que o governo do presidente-capitão Jair Bolsonaro vem jogando duro contra a grande mídia não é segredo para ninguém, porém, parte da imprensa resolveu revidar da maneira mais baixa possível. Veículos de comunicação de renome e até quem surgiu recentemente estão apostando numa tática covarde. Na semana que passou a primeira-dama, Michelle Bolsonaro foi o alvo das garras desse pessoal que joga de forma inescrupulosa e suja. Com o intuito de fazer com que o governo abra os cofres, como ocorria no passado, matérias sobre a vida de familiares de Michelle foi exposta de maneira desnecessária e baixa. Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra. Apesar desses veículos ganharem audiência, eles perderam a compostura e o respeito pelas pessoas, tudo em nome do dinheiro e dos 15 minutos de fama.

Frase da Semana

“Os legisladores precisam certamente de uma escola de moral” – Simón Bolívar, (1783-1830) foi um líder político e militar venezuelano, chefe das revoluções que libertaram a Venezuela, Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Bolívia do domínio espanhol.

Por José Fernando Vilela

expressaobrasiliense

Read Previous

Cinco escolas da rede pública decidem se querem a gestão compartilhada com militares

Read Next

Caixa e Banco do Brasil iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep a partir desta segunda-feira (19)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.