• 28 de janeiro de 2022

MEIS E PEQUENAS EMPRESAS | Bolsonaro veta projeto de lei que permite a renegociação de dívidas

Castigados pela pandemia, os microempreendedores inviduais (MEIs) e pequenos empresários de todo o país foram surpreendidos nesta sexta-feira (7) com o veto integral por parte do presidente Jair Bolsonaro, do PL, ao projeto que instituía o Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp).

O veto do governo ao parcelamento das dívidas das duas categorias do setor empresarial foi recomendada pela equipe econômica do ministro Paulo Guedes.

A medida havia sido instituída pelo Projeto de Lei Complementar 46, aprovado em dezembro pela Câmara dos Deputados, e que permitia a renegociação de cerca de R$ 50 bilhões em dívidas de microempreendedores individuais e de empresas participantes do Simples Nacional (regime tributário simplificado).

Leia também  Governo Bolsonaro mostrou força no Congresso ao aprovar crédito suplementar de R$ 248 bi

A mensagem ao Congresso com as justificativas do presidente para o veto do projeto foi publicada no DOU desta sexta. Nela, Bolsonaro argumenta que a proposição legislativa “incorre em vício de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, uma vez que, ao instituir o benefício fiscal, implicaria em renúncia de receita, em violação ao disposto no art. 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, no art. 14 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 – Lei de Responsabilidade Fiscal, e nos art. 125, art. 126 e art. 137 da Lei nº 14.116, de 31 de dezembro de 2020 – Lei de Diretrizes Orçamentárias 2021”.

Leia também  AUMENTO GLOBAL | Crescimento recorde de casos de coronavírus nos últimos dias preocupa OMS

O programa seria destinado às empresas endividadas. O contribuinte teria descontos sobre juros, multas e encargos proporcionalmente à queda de faturamento no período de março a dezembro de 2020 em comparação com o período de março a dezembro de 2019. Empresas inativas no período também poderiam participar.

De acordo com a proposta, dCabepois dos descontos e do pagamento de uma entrada, o saldo restante poderia ser parcelado em até 180 meses, vencíveis em maio de cada ano. Entretanto, para dívidas com a Previdência Social, o parcelamento seria em 60 meses.

Leia também  MUDANÇAS | Limite de juros para cheque especial começa a valer hoje

Cabe agora ao Congresso,  analisar o veto do presidente, que poderá ser mantido ou derrubado. Pelas regras em vigor, a rejeição do veto ocorre por manifestação da maioria absoluta dos votos de deputados federais e senadores, ou seja, 257 votos de deputados e 41 votos de senadores, computados separadamente. Registrada uma quantidade inferior de votos pela rejeição em umas das Casas, o veto é mantido.

Com informações da Agência Brasil

Foto: Reprodução/Google Imagens

Expressão Brasiliense

Read Previous

RESQUÍCIOS DA GESTÃO DE MORO | STF prorroga prazo de inquérito contra Bolsonaro sobre interferência na PF

Read Next

COVID AVANÇA NOVAMENTE | Casos da doença voltam a subir e Brasil corre risco de ter uma nova onda