• 20 de abril de 2021

AINDA SEM LUZ | Governo reconhece estado de calamidade pública

O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria em que reconhece o estado de calamidade pública no Amapá. No dia 3 de novembro, um incêndio no transformador de uma subestação de energia deixou 14 das 16 cidades do estado sem luz. Foram mais de 80 horas sem energia elétrica e atualmente a população continua com o fornecimento limitado, em sistema de rodízio.

Leia também  CONTRA A PEC 32/2020 | Servidores prometem “guerra” a reforma administrativa do governo Bolsonaro

Veja também

BARBÁRIE NO SUL DO PAÍS | Homem negro é espancado e morto por seguranças do Carrefour em Porto Alegre (RS)

Em portaria publicada ontem (21) no Diário Oficial da União, o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, reconhece “por procedimento sumário, o estado de calamidade pública na área do território do estado do Amapá, afetada pelo desastre”.

Leia também  TESTES DA COVID | Secretaria de Saúde informa que UBSs voltam a realizar exames rápidos e RT-PCR (cotonete nasal)

O Amapá já estava em estado de emergência quando foram. repassados R$ 21,5 milhões ao estado para o aluguel de geradores e a compra de combustível.

Na prática, não há diferença entre estado de emergência ou calamidade. Mas o estado de calamidade dá mais segurança jurídica e permite ao governo federal antecipar pagamentos de aposentadorias e benefícios assistenciais como Benefício de Prestação Continuada (BPC) e Bolsa Família.

Leia também  O FINO DA POLÍTICA | Bancada do DF e secretários do governo Ibaneis se unem, num gesto grandeza e maturidade política, em busca de recursos para o DF

Segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a carga completa poderá voltar ao normal até 26 de novembro.

(Agência Brasil)

Foto: Divulgação/MME

Avatar

expressaobrasiliense

Read Previous

REUNIÃO G-20 | Bolsonaro baixa o tom e promete cumprir agenda ambiental

Read Next

VIGILÂNCIA SANITÁRIA ALERTA | Aglomerações continuam proibidas e bares e restaurantes seguirão sob fiscalização