• 16 de setembro de 2021

AINDA EM CONSTRUÇÃO | DEM e PSL podem se tornar a maior bancada na Câmara com a fusão e definir votações importantes

O DEM e o PSL estão prestes a criar uma megapotência partidária. Com a expectativa de fusão entre legendas nos próximos dias, a configuração política dentro do Congresso passará por algumas mudanças. A união dos partidos deve contar com 81 deputados federais e 7 senadores.

O novo partido passa a ser a maior bancada na Câmara, com força para decidir votações importantes e ter peso significativo num eventual processo de impeachment de Jair Bolsonaro.

Atualmente, o PT é o partido com mais parlamentares na Câmara: 53. A ideia dos dirigentes das duas siglas é formar uma força de centro-direita que atraia uma candidatura à Presidência em 2022 para rivalizar com Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia também  CPI DA COVID | Omar Aziz é eleito presidente e Renan Calheiros é confirmado como relator

Além de maior partido da Câmara, a nova legenda, caso saia do papel, deve controlar o maior número de Estados, favorecendo a formação de palanques regionais nas disputas eleitorais. Hoje, o PSL governa Santa Catarina, com Carlos Moisés, e Tocantins, com Mauro Carlesse. O DEM administra Goiás, com Ronaldo Caiado, e Mato Grosso, com Mauro Mendes. O PT também tem quatro governadores.

O novo partido, que ainda não tem nome definido, também deve ser o mais rico de todos. Terá perto de R$ 158 milhões por ano de fundo partidário, dinheiro público que abastece as legendas para gastos que vão de aluguel de sede, pagamento de salários, aluguel de jatinhos, entre outros. Em comparação, o PT ganhou R$ 94 milhões dessa verba pública este ano.

Leia também  MAIS UMA TRAGÉDIA | Filha é esfaqueada ao defender a mãe de namorado em Ceilândia

A sigla que sairá da fusão DEM-PSL receberá ainda, no que ano vem, a maior fatia do fundo eleitoral, cujo valor ainda deve ser fixado pelo Congresso, mas, provavelmente, será superior a R$ 2,1 bilhões. Se considerada a soma dos valores de 2020 dos fundos eleitoral e partidário, o novo partido teria R$ 478,2 milhões, à frente do PT, que ficou com R$ 295,7 milhões somando as duas fontes de financiamento.

A expectativa nas cúpulas das duas siglas é a de que a ala bolsonarista do PSL na Câmara não vá para a nova legenda. O grupo que articula o novo partido pretende trabalhar por uma candidatura presidencial da terceira via. Ainda assim, as saídas não afetam a distribuição do fundo. Ele leva em conta o número de eleitos e não o número atual da bancada de deputados.

Leia também  PREVIDÊNCIA | Senadores devem iniciar votação da reforma no plenário na próxima terça-feira

A união é vantajosa para o DEM por causa do aumento do fundo partidário. Para o PSL, os principais atrativos são a capilaridade regional e estrutura que a outra sigla pode oferecer.

Da Redação com informações da Agência Estadão Conteúdo

Foto: Divulgação/Ag. Reuters

expressaobrasiliense

Read Previous

DEPOIS DE REDIGIR NOTA | Michel Temer ri de imitação de Bolsonaro em encontro com empresários e políticos

Read Next

CONFIRA A LISTA | Codhab convoca famílias contempladas no Alto Mangueiral