• 6 de dezembro de 2021

AINDA VAI DEMORAR | Instagram e Facebook Messenger só terão mensagens criptografadas em 2023

A Meta, empresa de Mark Zuckerberg, não pretende implementar a criptografia de ponta a ponta no Messenger e no Instagram até 2023. A gigante estaria preocupada em adicionar meios de proteção de privacidade enquanto não existem mecanismos eficientes para evitar abuso sexual infantil e assédio pela internet.

Mais cedo este ano, a Meta (na época, Facebook) havia anunciado que a proteção nativa do Messenger chegaria, no máximo, em 2022. Essa funcionalidade é uma grande pendência para o mensageiro e, embora esteja disponível nos chats secretos e chamadas de voz e vídeo, ela não é ativada por padrão no bate-papo tradicional.

O chefe global de segurança da Meta, Antigone Davis, afirmou ao site The Telegraph que o atraso se dá para criar meios de proteção contra assédio virtual. Mensagens com criptografia de ponta a ponta, em sua essência, só podem ser abertas pelos portadores da chave de criptografia, que são os usuários envolvidos na conversa. Desta forma, a empresa não tem controle direto sobre o conteúdo conversado e, naturalmente, isso abre espaço para atividades ilícitas via app.

Leia também  Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação

Proteção mais eficiente

Davis conta que a empresa de Mark Zuckerberg quer elaborar formas de interromper esse tipo de ocorrência, sem que isso implique na violação da privacidade dos usuários. A Meta pensa num mecanismo de monitoramento que casa informações não protegidas com denúncias de usuários.

“Na Meta, que detém o Facebook e o WhatsApp, sabemos que as pessoas esperam que utilizemos a tecnologia mais segura disponível. É por isso que todas as mensagens pessoais que você envia no WhatsApp já estão criptografadas de ponta a ponta e estamos trabalhando para fazê-lo o padrão no resto de nossos aplicativos”, comentou o executivo.

Leia também  OPORTUNIDADE PARA RENEGOCIAR | Governo Ibaneis envia projeto do Refis 2021 para a CLDF e quer arrecadar R$ 1,5 bilhão

O objetivo da empresa é dar às pessoas controle sobre as ocorrências, e para isso ela atua em três frentes: detecção proativa de padrões de atividade suspeita; fornecimento de meios de denúncias claros e acessíveis; e controle de privacidade avançados — quem pode (ou não pode) enviar mensagens para o usuário.

WhatsApp já é criptografado

Embora a Meta siga esses princípios no Messenger do Facebook e do Instagram, o mesmo não acontece da mesma maneira no WhatsApp. No mensageiro favorito dos brasileiros, as conversas são protegidas com criptografia há anos e, como forma de proteção contra assédio, mensagens denunciadas supostamente permitiriam que avaliadores conferissem a interação protegida, algo que gerou uma certa polêmica (e desconfiança) na web.

Leia também  SEMANA DO CERRADO | Confira a programação das atividades educativas que serão desenvolvidas nas trilhas de todo o DF

É curioso observar que, embora o Facebook e o Instagram já tenham mensagens criptografadas de ponta a ponta em um dos formatos de chat, ainda é um passo grande para a empresa estender a proteção para todos os papos. Considerando o desenrolar dessa novela, provavelmente surgirão detalhes mais precisos sobre o novo plano do Facebook em breve, então resta agora apenas ficar ligado nas notícias.

(Canaltech)

Foto: Reprodução/Google Imagens

Expressão Brasiliense

Read Previous

NOVO FÔLEGO PARA O SETOR PRODUTIVO | BRB lança programa para estimular a economia do DF no fim de ano

Read Next

MUDANÇAS NOS PROTOCOLOS | GDF estabelece que apresentação de cartão de vacina será obrigatório em eventos