• 6 de dezembro de 2021

ESTOQUES BAIXOS | Bancos de Leite Humano do DF precisam de doações do alimento com urgência

O Novembro Roxo é o mês dedicado à conscientização da prematuridade. São os prematuros o principal público dependente dos Bancos de Leite Humano do Distrito Federal. A campanha chega justamente no período em que os bancos de leite estão com queda nas doações do alimento. A Secretaria de Saúde alerta para a necessidade em aumentar a arrecadação nos estoques de leite humano cuja doação pode ser feita, até mesmo, em casa via agendamento pelo telefone 160, opção 4.

Veja também

CORONAVÍRUS | Brasil ultrapassa a triste marca de mais de 160 mil mortos e 5,56 milhões de casos

A coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano do DF, Miriam Santos, alerta que o mês de novembro é justamente o mês de atenção ao bebês prematuros. “Até setembro, tivemos 9.592 bebês receptores de leite materno nas unidades neonatais do Distrito Federal e a maioria deles são prematuros e de baixo peso”. A coordenadora ressalta o fato de “oferecemos leite materno para todos os bebês internados, no entanto, nos últimos meses, registramos uma queda nas doações”.

Leia também  NOVO FÔLEGO PARA O SETOR PRODUTIVO | BRB lança programa para estimular a economia do DF no fim de ano

A campanha também chama a atenção para a importância do leite materno e contato pele a pele, criando maior vínculo afetivo entre mãe e filho, mais estabilidade térmica e melhor desenvolvimento no bebê. O leite materno é essencial para salvar a vida dos bebês internados. No entanto, caso os estoques continuem abaixo da média, em último caso, a preferência do leite será para os prematuros e de baixo peso, segundo a coordenadora.

Leia também  CORONAVÍRUS | Brasil registra 941 mortes e 17.857 casos confirmados

Miriam Santos destaca que todas as doações de leite materno são destinadas aos bebês internados nas unidades neonatais. Além disso, todas as mães de bebês prematuros recebem o apoio das equipes do BLH para continuarem extraindo seu próprio leite, pois o leite mais indicado para o bebê é o da própria mãe.

“O leite da mãe de um bebê prematuro possui características diferenciadas, pois tem mais proteína e imunoglobulina. Em uma mulher que teve o parto no período normal, o colostro dura cerca de sete dias, já o de uma mãe de prematuro, se estende por cerca de 21 dias, já que o corpo entende a necessidade da imunidade da criança”, explica.

O leite materno utilizado nas unidades neonatais é totalmente oriundo das mães dos bebês internados, das doações e dos estoques do BLH. Por isso, estimular e incentivar as mães a doarem é tão importante. Há bebês que ficam internados por três ou quatro meses.

Leia também  VACINAÇÃO NO FIM DE SEMANA | Postos drive-thrus estarão abertos das 9h as 17h

De acordo com Miriam, todas as mães de prematuros recebem apoio de profissionais para lidar com a questão da “vida e morte” dentro de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal. Ela afirma que quando as mães conseguem extrair o leite materno e veem o filho se alimentando e se desenvolvendo, é algo que as motivam para continuar a amamentação até que o bebê consiga mamar.

(Agência Saúde DF)

Foto: Geovana Albuquerque/Ag. Saúde DF

Expressão Brasiliense

Read Previous

NOVO BAIRRO | Alto Mangueiral terá 6,4 mil imóveis próximos a São Sebastião

Read Next

61 IMÓVEIS | Imobiliária lança aplicativo que avalia preços de imóveis com inteligência artificial