• 19 de julho de 2024

REVIRAVOLTA NA FRANÇA | Com ajuda do centro, esquerda freia ascensão da direita ao vencer as eleições

A Nova Frente Popular (NFP), coalizão de socialistas, comunistas, verdes e da esquerda radical, surpreendeu e ficou em primeiro lugar no segundo turno das eleições legislativas antecipadas na França. A vitória deixou o Reagrupamento Nacional (RN), o partido de direita radical liderado por Marine Le Pen e Jordan Bardella, em terceiro lugar, atrás da coalizão de centro liderada pelo presidente, Emmanuel Macron, que ficou em segundo.

Nenhum dos principais blocos políticos obteve maioria absoluta na Assembleia Nacional. A questão do futuro governo permanece sem solução após o segundo turno na noite de domingo, 7. Os acordos tácitos entre o governo de Emmanuel Macron, de centro, e a coalizão de esquerda, concentrando o voto no candidato com mais chances de derrotar o RN em cada circunscrição, frustraram a vitória da direita radical, mas não deram aos esquerdistas uma maioria absoluta, o que aumenta a incerteza sobre o futuro da França.

O pleito foi marcado pelo forte comparecimento às urnas, com 67% de participação, o maior desde 1981. Contra todas as expectativas, a NFP sai na frente e deve obter ao menos 181 assentos na Assembleia Nacional (podendo chegar a 192), seguida pela coalizão Juntos, do presidente Emmanuel Macron, com 166 cadeiras, e pela antes favorita Reunião Nacional (RN), da direita radical, com 143 deputados.

Para o cientista político e pesquisador John Crowley, o resultado foi “uma surpresa para todo mundo” e se deve, sem dúvida, às desistências de candidatos entre o primeiro e o segundo turnos para barrar o crescimento do RN nas urnas. “Não era óbvio que os votos do centro poderiam ir para a esquerda ou vice-versa, mas eles conseguiram. A estratégia da barragem deu certo e fez o RN perder assentos em relação às primeiras estimativas, que davam até a maioria absoluta para o partido de Bardella (289 cadeiras)”, diz o pesquisador.

Mas, de acordo com ele, a formação de um novo governo “vai ser extremamente complicada”. “A esquerda chegou na frente, mas longe de conseguir uma maioria. O presidente da República tem o poder de nomear o primeiro-ministro, ele pode nomear quem ele quiser. Provavelmente, haverá muita negociação nos próximos dias”, explica.

Com isso, a França pode estar caminhando para um impasse político duradouro. O caminho imediato a seguir não está claro, disseram especialistas, mas o país pode estar caminhando para meses de instabilidade política, com Emmanuel Macron enfrentando um Parlamento dividido, incluindo dois blocos que se opõem firmemente ao presidente .

Mas assim que o presidente Emmanuel Macron convocou novas eleições, ele encampou a liderança da coalizão. Foi o primeiro a discursar no domingo, 7, após as projeções de vitória da esquerda, e afirmou que Macron deverá admitir a derrota nas eleições e criar alguma relação com o NFP para formar um governo.

Mélenchon, de 72 anos, está na cena política francesa há décadas. Ex-membro do Partido Socialista, ocupou cargos ministeriais em governos anteriores. Até 2012, Mélenchon era um candidato marginal, mas o cenário político mudou radicalmente desde então, tornando-o popular entre os eleitores mais jovens, nas redes sociais e também com um canal popular no YouTube. Ele se tornou líder do França Insubmissa (LFI), um partido com ideias de esquerda mais radicais.

Ele se tornou uma figura divisiva na política francesa, atraindo tanto entusiasmo quanto críticas por suas propostas incendiárias de impostos e gastos do governo, sua retórica sobre luta de classes e suas posições controversas em política externa, especialmente em relação a Gaza. Críticos o acusam de antissemitismo, acusação que ele nega.

Desde o ataque de 7 de outubro a Israel, Mélenchon expressou descaradamente opiniões pró-palestinas, recusou-se a chamar o Hamas de organização terrorista e denunciou com veemência a operação militar de Israel em Gaza como “genocídio”. Ele classificou uma grande manifestação contra o antissemitismo, com a presença de dois ex-presidentes franceses, como um encontro para “os amigos do apoio incondicional ao massacre”.

Além de Mélenchon, outras lideranças da coalizão devem disputar o posto de primeiro-ministro. Marine Tondelier, a jovem líder dos Ecologistas, Raphael Glucksmann, cofundador do partido de centro-esquerda Place Publique e Laurent Berger, ex-líder sindical da poderosa Confederação Democrática Francesa do Trabalho (CFTD), além do próprio ex-presidente François Hollande.

O ex-primeiro-ministro Édouard Philippe se colocou à disposição para reunir um conjunto de forças políticas e formar um novo governo. Desde a dissolução da AN, tanto Philippe quanto outras lideranças de centro e da direita moderada se dissociaram da imagem de Macron para tentar assumir a liderança do campo governista.

O presidente Emmanuel Macron, que decidiu dissolver a AN na noite do dia 9 de junho, após a vitória do RN na França nas eleições europeias, preferiu não falar publicamente na noite deste domingo, 7.

O atual primeiro-ministro, Gabriel Attal, eleito deputado pelo departamento Hauts-de-Seine disse que vai entregar a sua demissão na manhã desta segunda-feira, 8, mas que estaria disposto a ficar no cargo o tempo que fosse preciso.

Diante da dificuldade em se formar um governo sem maioria absoluta, Crowley acredita que – um fato inédito na tradição francesa – é possível que Macron espere passar o verão e os Jogos Olímpicos para nomear um novo primeiro-ministro. “Na tradição francesa, o primeiro-ministro é nomeado por volta do meio-dia de segunda-feira. Desta vez, eu acredito que nada vai se passar tão rapidamente. Ele vai ganhar tempo e deve formar um novo governo para a volta das férias, em setembro. A França faria algo que acontece com frequência em países como a Alemanha, a Espanha e os países nórdicos, que podem levar meses em negociações até a formação de um novo governo”, explica.

Com informações da Agência Estadão Conteúdo

Foto: Reprodução/Google Imagens

Acompanhe o Expressão Brasiliense pelas redes sociais.

Dá um like para o #expressaobrasiliense na fanpage do Facebook.

Siga o #expressaobrasiliense no Instagram.

Inscreva-se na TV Expressão, o nosso canal do YouTube.

Receba as notícias do Expressão Brasiliense pelo Whatsapp.

Expressão Brasiliense

Read Previous

EM SUA 1ª VISITA AO BRASIL | Javier Milei afirma que Bolsonaro é vítima de perseguição judicial

Read Next

AQUI TEM + SESC | Núcleo Bandeirante terá dois dias de atendimento à população para promover nova unidade da instituição na região