• 25 de julho de 2021

FALTAM 15 DIAS | Candidatos não podem ser presos a partir de hoje (31) a não ser em flagrante

A partir deste sábado (31), nenhum candidato pode ser detido ou preso, salvo em flagrante delito. A regra está prevista no parágrafo 1º do artigo 236 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965). Pela norma, postulantes aos cargos de vereadores ficam impedidos de serem presos nos 15 dias que antecedem o primeiro turno das eleições, que, neste ano, em razão da pandemia de Covid-19, será realizado no dia 15 de novembro.

Leia também  REDUÇÃO DOS INVESTIMENTOS | Governo quer cortar orçamento para proteção ambiental em 2021

Veja também

CONTAS DO WHATSAPP BLOQUEADAS | TSE recebeu mais de 1 mil denúncias de disparo em massa pelo aplicativo

Já o parágrafo 2º do dispositivo determina que, caso ocorra qualquer detenção nesse período, o preso deverá ser conduzido imediatamente à presença do juiz competente, que, se verificar qualquer ilegalidade na detenção, “a relaxará e promoverá a responsabilidade do coator”.

Leia também  VANTAGEM NA 1ª PARTIDA | Brasiliense vence o Vila Nova por 2 a 0 na semi da Copa Verdejantes

O objetivo da medida é garantir o equilíbrio da disputa eleitoral ao prevenir que prisões sejam utilizadas como manobra para prejudicar um candidato por meio de constrangimento político ou o afastando de sua campanha.

No pleito deste ano, estão em disputa apenas os cargos de vereador e prefeito. Por se tratar de Eleições Municipais, os eleitores que estão no exterior não estão obrigados a votar.

Leia também  SUSPEITA DE FRAUDE | Justiça Eleitoral e MPE investigam Instituto Podium por divulgar pesquisa duvidosa em favor de Lêda Borges

Segundo turno

Caso ocorra segundo turno, no dia 29 de novembro, o candidato que concorrer não poderá ser preso ou detido a partir do dia 16 de novembro. Novamente, a única exceção é para prisões em flagrante delito.

(TSE)

expressaobrasiliense

Read Previous

DE OLHO NO ENTORNO | Pábio Mossoró, nos braços do povo

Read Next

DE OLHO NO ENTORNO | Justiça Eleitoral analisa se Túllio pode agir como candidato