Assim como os EUA, Brasil deixa de fazer parte do pacto migratório da ONU

Seguindo os passos dos Estados Unidos, o Brasil não fará mais parte do pacto migratório da Organização das Nações Unidas (ONU) e passará a definir “por conta própria” as regras para controlar a imigração no país, segundo a Agência Reuters.

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) destacou, nesta quarta-feira (09), os motivos que levaram o governo brasileiro a decidir sobre o abandono do pacto da ONU.

“É necessário critérios, buscando a melhor solução de acordo com a realidade de cada país. Se controlamos quem deixamos entrar em nossas casas, por que faríamos diferente com o nosso Brasil?”, escreveu.

Em uma sequência de dois posts, Bolsonaro lembrou que a “defesa da soberania nacional” foi uma das bandeiras de sua campanha e será prioridade do governo.

“Os brasileiros e os imigrantes que aqui vivem estarão mais seguros com as regras que definiremos por conta própria, sem pressão do exterior”, justificou.

Segundo a Reuters, o Brasil se retirou na terça-feira (08) do pacto migratório, de acordo com um diplomata do Itamaraty a par do assunto.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse no mês passado, antes de Bolsonaro e dele próprio tomarem posse, que o novo governo tinha intenção de retirar o país do acordo assinado durante a gestão do ex-presidente Michel Temer.

Com um recorde de 21,3 milhões de refugiados em todo o mundo, a ONU começou a trabalhar no acordo não vinculante depois de mais de 1 milhão de pessoas chegarem à Europa em 2015, muitos fugindo da guerra na Síria e da fome na África.

Entre os pontos de destaque, afirma que a garantia de direitos humanos deve ser mantida independentemente da nacionalidade e restrições a imigração só devem ser adotadas em casos excepcionais.

Diplomatas questionam a decisão do governo de deixar o pacto, já que as normas servem, inclusive, para proteção dos brasileiros que vivem no exterior.

Todos os 193 membros da ONU, exceto os Estados Unidos, concordaram com o texto do pacto em julho, mas somente 164 —incluindo o Brasil— o ratificaram formalmente.

Da Redação com informações da Agência Reuters

Foto: Google Imagens

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s