• 23 de maio de 2022

SETOR IMOBILIÁRIO AQUECIDO | Cresce número de novos empreendimentos e vendas de imóveis

O ano de 2021 deve ser o melhor da última década para o setor imobiliário. Nos primeiros nove meses do ano, houve um crescimento de 37,6% nos lançamentos e 22,5% nas vendas de imóveis.

Os dados são do estudo Indicadores Imobiliários Nacionais do 3o trimestre de 2021, divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional), em parceria com a Brain Inteligência Estratégica.

Foram 171 mil unidades novas lançadas e 187,9 mil imóveis vendidos de janeiro a setembro deste ano, num cenário muito positivo para o setor, mesmo com a alta de mais de 27% no custo de materiais e equipamentos da construção civil.

“Os números reforçam o que foi dito desde o ano passado, que o mercado só tende a crescer”, apontou o presidente da CBIC, José Carlos Martins, durante a divulgação da pesquisa, que foi realizada em 162 municípios, sendo 20 capitais, de Norte a Sul do país.

Leia também  CPI DA PANDEMIA | Colégio de líderes se reúne nesta quarta (09) para decidir sobre criação da comissão na CLDF

Lançamento e vendas no DF

Na capital do país, o cenário nacional também se repete. Com canteiros de obras espalhados em diversos bairros, a construção civil tem visto um momento de aquecimento econômico, mesmo com a pandemia.

É o caso da construtora Lotus, que lançou só este ano 3 empreendimentos novos e já chega a 8 empreendimentos no portfólio de lançamentos e entregas desde que foi lançada, em 2018.

“O mercado imobiliário está em amplo crescimento e aquecido no DF. Nós não tiramos o olho do mercado e mantivemos as atividades, seguindo protocolos de segurança, durante toda a pandemia, gerando empregos e prontos para começar o próximo ano”, explica um dos proprietários da Lotus, Ruy Hernandez.

A estimativa dos especialistas é que o valor geral de vendas do setor imobiliário, em todo o país, deve chegar a R$ 99 bilhões neste ano. O montante é 12,5% maior que o registrado no ano passado.

Leia também  A CONTRAGOSTO DA POPULAÇÃO | Casa da Cultura do N. Bandeirante dará lugar a abrigo de adolescentes criminosos

“A construção civil tem sido o carro-chefe na cadeia de negócios e acreditamos que a expectativa é ainda melhor para os próximos anos”, acrescenta outro proprietário da Lotus, Luiz Felipe Hernandez lembrando que, em 2022, a construtora entregará à Brasília o Lotus Prime. “Será um empreendimento com 4.400 metros quadrados de área construída e dois pavimentos comerciais”, destaca Hernandez ressaltando que o projeto do Prime “possui o que há de mais atual em arquitetura, tecnologia e sustentabilidade”.

Entre os últimos lançamentos da construtora também está o residencial Haya, no Noroeste. No local, a empresa repete o padrão de qualidade, exclusividade e arquitetura autoral que já é marca do negócio.

Novo capítulo na construção civil

A Lotus vem se destacando no mercado de Brasília por oferecer um novo capítulo para a construção civil. Além dos lançamentos imobiliários sem financiamento bancário para todas as fases, a empresa é referência pelo investimento em ESG.
A sigla, em inglês, significa “Environmental, Social and Corporate Governance”, e se refere às melhores práticas ambientais, sociais e de governança.

Leia também  REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA | Ibaneis assina nesta terça (1º) decreto que regulariza 1,4 mil lotes em Arniqueira

Para mostrar que investe em práticas ESG, uma empresa precisa ter iniciativas para proteger os recursos naturais, reduzir a emissão de poluentes e impactar positivamente o meio ambiente ao mesmo tempo em que entrega benefícios para a sociedade.

“A Lotus comprova essas práticas e trabalha diariamente para implementar condutas e padrões que alinhem lucro, qualidade de vida para todos e completa transparência nos negócios. Para nós, é possível construir e vender imóveis em um ambiente mais global e social, ético, íntegro e ambientalmente sustentável”, finaliza Ruy Hernandez.

Foto: material cedido ao Expressão Brasiliense

Expressão Brasiliense

Read Previous

FECHADO POR AGNELO | Autódromo de Brasília será administrado pelo BRB que vai investir R$ 60 milhões para reformar o local

Read Next

PRATO CHEIO | Devido aos efeitos da crise econômica da pandemia, GDF amplia duração do programa para nove meses