• 21 de maio de 2024

Começa campanha de vacinação contra a gripe

Crianças de seis meses a menores de seis anos de idade e mulheres grávidas começam a ser vacinadas nesta quarta-feira (10), dando início à Campanha Nacional de Vacinação contra influenza. A imunização é uma das medidas mais efetivas para a prevenção da gripe grave e suas complicações. As vacinas utilizadas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), durante as campanhas, são constituídas por vírus inativados, fracionados e purificados. Portanto, são totalmente seguras e não causam a doença.

As vacinas influenza trivalentes utilizadas no Brasil contêm, obrigatoriamente, três tipos de cepas de vírus em combinação. A Vigilância Epidemiológica da Influenza, no Brasil, inclui uma rede de unidades sentinelas para a vigilância da influenza, distribuídas em serviços de saúde, em todas as unidades federadas do país, que monitoram a circulação do vírus por meio de casos de síndrome gripal (SG) e síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

O Distrito Federal possui sete unidades sentinelas da gripe. São elas: Hospital Regional da Asa Norte (Hran), Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), Hospital Regional do Gama (HRG), Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), em que é preconizada a coleta de cinco amostras, por semana, de casos de síndrome gripal. Já as referências para os casos de pessoas com síndrome respiratória aguda grave internadas em UTI são o Hospital Santa Helena e o Hospital Brasília.

CASOS – No DF, em 2019, foram notificados 151 casos confirmados de SRAG, sendo a maioria por Vírus Sincicial Respiratório (VSR), com 113 ocorrências; seguido de adenovírus, com 11; metapneumovírus (9), parainfluenza 1 (6), parainfluenza 3 (5), H1N1 (4), coronavírus (1), Flu A não subtipado (1) e Flu A/H3 sazonal (1).

Ano passado, foram confirmados 639 casos. Dentre os principais vírus encontrados nas amostras de SRAG, o Vírus Sincicial Respiratório correspondeu a 54,3% (347/639) dos casos; 11,2% (72/639) por influenza AH1N1; 7,5% (48/639) por influenza AH3N2; e 3,1% (20/639) por influenza A não-subtipado. O vírus influenza B foi isolado em 0,9% (6/639) dos casos. Outros vírus (metapneumovírus, adenovírus, rinovírus e os vírus parainfluenza 1, 2 e 3) corresponderam a 22,8% (146/639) das amostras.

Em 2018, do total de 72 casos de SRAG do DF, positivos para influenza AH1N1, 15,2% (11/72) foram em menores de 1 anos de idade; 23,6% (17/72) nas crianças de 1 a 4 anos; 1,3% (1/72) nas de 5 a 9 anos; 4,1% (3/72) em pessoas de 10 a 14 anos; 15,2% (11/72) em adultos de 20 a 29 anos; 16,6% (12/72) de 30 a 39 anos; 8,3% (6/72) de 40 a 49 anos; 5,5% (4/72) de 50 a 59 anos; e 9,7% (7/72) em maiores de 60 anos.

OUTROS GRUPOS – De 22 de abril até 31 de maio, as doses serão disponibilizadas ao restante do público-alvo. Além das crianças e gestantes, devem se imunizadas as mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com 60 anos ou mais de idade, trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade em medida socioeducativa, a população privada de liberdade e os servidores do sistema prisional.

O Dia D de Mobilização Nacional está marcado para 4 de maio. Nesta data, 111 salas de vacinação no Distrito Federal estarão funcionando, das 8h às 17h, ininterruptamente. ​

Matéria da Agência Saúde

Foto: Google Imagens

Expressão Brasiliense

Read Previous

Especialista britânico diz que tecnologia está sendo usada de forma errada na educação

Read Next

Câmara em Movimento vai ao Recanto das Emas em sua primeira edição de 2019