• 16 de setembro de 2021

O FINO DA POLÍTICA | Grupos políticos do DF já começam a se movimentar de olho nas eleições de 2022

Foi dado o “start” para as eleições de 2022 no Distrito Federal. As movimentações para construir alianças para o ano que vem estão em um ritmo bem intenso. As articulações estavam mornas até então, normal para um ano pré-eleitoral.

Veja também

CPI DA COVID | Pazuello diz que Bolsonaro “fala o que vem na cabeça”

Com as mudanças que ocorreram na legislação eleitoral nos últimos anos, os partidos e grupos políticos passaram a se preparar para a próxima disputa assim que se inicia um novo mandato. Essa é uma estratégia primordial para aqueles que querem continuar na política.

Aqui no DF, desde que o governador Ibaneis Rocha (MDB) declarou no dia 9 de maio que pretende se candidatar à reeleição, os bastidores da política brasiliense ficaram mais agitados. Ibaneis passou a ser o candidato preferido de muitos e preterido por poucos.

Leia também  Afinal, Joaquim Barbosa pode ser a salvação para o Brasil?

Está perceptível aos olhos de quem acompanha a política local que os grupos políticos vêm agindo para consolidar suas articulações e alianças com o intuito de não ter surpresas em 2022.

No campo das candidaturas majoritárias, em especial para o GDF, o enfrentamento nas urnas deve ocorrer entre o grupo liderado por Ibaneis contra um dos candidatos que se declaram oposição ao seu governo.

As últimas sondagens feitas junto aos eleitores apontam que o emedebista lidera as intenções de votos com uma vantagem considerável. Com isso, em questão de tempo o atual chefe do Buriti passará a ser atacado pelos seus adversários com o objetivo de descontruir sua gestão.

Leia também  Sem força política, governo Temer retira reforma da previdência da pauta e apresenta projetos alternativos

Já em relação as candidaturas proporcionais, essas sim vão dar muita dor de cabeça, principalmente no que tange a composição das nominatas dos partidos. Na disputa passada, as coligações salvaram muitos políticos em final de carreira e sepultaram um bocado.

Na eleição do ano que vem, os partidos devem concentrar seus esforços (e recursos) em candidatos que têm ou terão um bom desempenho nas urnas. É natural e legítimo que as legendas invistam em postulantes que vão garantir a sua sobrevivência.

Leia também  O FINO DA POLÍTICA | Dois anos sem Joaquim Roriz, o governador do povo

Diante desse cenário, os lobistas e coordenadores de grupos políticos e partidos estão na caça de pretensos pré-candidatos. Nesse sentindo, tem gente oferecendo até o que não tem para cooptar o futuro aliado. A ideia é dispor de nomes que honrem o partido nas urnas. Na verdade, o que se vê são articulações que atendem os interesses de uma minoria.

As eleições de 2022 já começou, só não vê quem não quer ou está se fazendo de bobo a espera da oportunidade ideal. Nesse jogo, político amador não tem vez.

Foto: Reprodução Google Imagens

expressaobrasiliense

Read Previous

APOIO DE PAÍSES MUÇULMANOS | Líder do Irã pede ajuda financeira e militar de outras nações à Palestina

Read Next

PROTEJA-SE | GDF lança aplicativo para receber denúncias de violações de direitos humanos