Envolvidos na Lava Jato e ministros do STF fazem pacto para livrar Lula da cadeia e libertar os já presos em troca de Lula não sair candidato.

E o dinheiro roubado pela corrupção vai ficar com eles?

Para entender a decisão do STF, devemos analisar os fatos ocorridos em passado, próximo e o comportamento dos personagens desta comédia grega, de muito “mau gosto”, diga-se de passagem.

Em maio de 2016, o Globo noticia que “Em diálogos gravados, Jucá fala em pacto para deter avanço da Lava Jato” e ao ouvirmos o diálogo está muito claro o acordo nacional entre políticos e juízes: Dilma precisa ser afastada para o STF cria as condições para abafar a Lava Jato.

O Antagonista, em matéria publicada no dia 01.fev.2018, noticiou o encontro entre Fernando Haddad e FHC, à pedido daquele em nome do Lula, onde teria sido acertado: “negociar um acordo segundo o qual Lula renunciaria à sua candidatura (que já morreu) em troca da liberdade (que está com os dias contados)”. Em 01.fev.2018, o Min. Gilmar Mendes, antes da matéria do Antagonista, diz ao site “EM.COM.BR”: “o ex-presidente tem chance quase nula de obter liminar para evitar a execução da sentença de prisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4)”.

A partir daí, começamos a ouvir que o Min. Celso de Melo – indicado pelo ex-presidente Sarney, também envolvido na Lava Jato – declarar que deve ser revista a jurisprudência quanto a prisão em segunda instancia – está decidida pelo STF para levar o ex-Senador Luis Estevão para a cadeia.

O Min. Marco Aurélio começou a dar liminar, para evitar prisão após julgamento em Segunda Instância. Outros Ministros começam a vazar informações sobre a necessidade de mudar a jurisprudência da corte quanto a prisão em segunda instância.

O STJ não entrou no jogo e negou a liminar do Habeas Corpus do Lula.

Em 15.mar.2018, em entrevista ao site: “Brasil247.com” Lula afirma: “Não serei preso”.

E, realmente não será preso, já que sabe que o STF iria confirma os fatos narrados, em 2016, pelo Sen. Romero Jucá ao Sergio Machado e confirmou o acordo com o ex-presidente FHC. Durante o mensalão também o FHC e o PSDB não quiseram envolver o Lula no escândalo diretamente.

ppPara nós, resta apenas ou irmos às ruas, inicialmente, de forma pacifica protestar ou simplesmente ficarmos calados.

Paulo Goyaz é advogado e consultor jurídico.

Foto: Google Imagens

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s