Servidores do Detran encerram greve após GDF ameaçar cortar o ponto

Depois de 39 dias com os braços cruzados, os servidores do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) decidiram em assembleia, na manhã desta sexta-feira (20/4), encerrar a greve iniciada no dia 13 de março. A categoria retorna ao trabalho na segunda (23), restabelecendo todos os serviços suspensos.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores do Detran (Sindetran-DF), Fábio Medeiros, a classe encerrou a greve por respeito à população. “Nós não tivemos nenhum item atendido pelo GDF”, assegura.

Uma reunião será realizada com a direção do órgão para definir o calendário de reposição dos dias parados e a necessidade de mutirões para atender o público, principalmente na realização de vistorias e emissão de documentos.

“Greve inadmissível”
Na manhã desta sexta, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) mandou cortar o ponto dos servidores grevistas do Detran. Segundo o chefe do Executivo local, a paralisação é “inadmissível”. “Nós já tivemos a oportunidade de dialogar com o sindicato, e a nossa determinação é promover o corte do ponto dos servidores que não estiverem trabalhando”, disse.

Sobre a declaração do governador, o presidente do Sindetran afirmou que a greve é um direito do servidor previsto na Constituição. “O governador deve ter esquecido disso. Desde 2015, a ordem é cortar o ponto, mas nós já conversamos sobre isso para que eles possam voltar atrás, mediante o calendário de reposição dos dias parados”, rebateu.

A greve
A categoria reivindica o pagamento da terceira parcela do reajuste salarial que deveria ter sido incorporado em 2015 (5%), aumento no valor do tíquete-alimentação, regulamentação da jornada de trabalho em lei (30 horas semanais), alteração de nomenclatura da carreira, adequação de cargos e isonomia da gratificação de titulação em relação às demais carreiras do GDF. Os profissionais também pedem melhores condições de trabalho.

Um dia antes da decretação da greve, o desembargador Arnoldo Camanho de Assis, da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), determinou que 80% dos servidores não abandonassem os postos de trabalho.

A decisão foi dada em resposta à ação ajuizada pela Procuradoria-Geral do Distrito Federal contra a greve. Além disso, a Justiça estabeleceu que o sindicato não impedisse o acesso dos servidores dispostos a trabalhar ou dos usuários do serviço público prestado, sob pena de multa diária de R$ 300 mil.

Matéria do site Metrópoles

Foto: Divulgação/Sindetran

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s