Temer fará a intervenção no Rio enquanto aliados tentam angariar votos para a reforma da previdência

Intervir, reformar e intervir novamente. Essa é a lógica que o presidente e seus aliados mais próximos estão projetando para os próximos meses.

Ao assinar o decreto que determina a intervenção federal, no Estado do Rio de Janeiro, até o dia 31 de dezembro deste ano, o presidente Michel Temer ficará impedido de seguir adiante com a sua reforma da previdência.

De acordo com a Constituição Federal, quando a União faz uma intervenção num dos Estados, ela não pode propor nenhuma alteração à Carta Magna. A reforma da previdência tramita no congresso como uma Proposta de Emenda à Constituição, a famosa PEC.

Até aí, tudo certo. Porém, Temer e sua equipe estão vislumbrando um outro cenário. Eles querem continuam articulando para ter certeza que num determinado momento tenham os 308 votos necessários para aprovar a PEC, revogar o decreto de intervenção, votar a reformar, onde nesse período transfere-se parte das prerrogativas do interventor para as Forças Armadas, e ao aprovar a reforma, deita-se um novo decreto retornando a intervenção federal no Rio. Eita, dá até um nó na cabeça isso, hein!?

Bom, essas foram as explicações dadas por Temer e o ministro da Defesa, Raul Jungmann na tarde desta sexta (16) à imprensa. Vamos ver se terão força política para que o script siga de acordo com o que eles planejaram. Sinceramente? Tenho minhas dúvidas se eles vão obter êxito com essas manobras. Ainda mais em ano de eleição.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s